top of page
elemento.png

26/07, às 16h

Série Oses na Estrada | João Neiva

local.png

EEEFM João Neiva

João Neiva - ES, 29680-000, Brasil

ingressos.png

Entrada gratuita

julho_osesestrada

Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo - Oses

Helder Trefzger, regente

Georges Bizet: Prelúdio, da ópera Carmen.

Antônio Carlos Gomes: Protofonia, da ópera Il Guarany.

Pietro Mascagni: Intermezzo, da ópera Cavalleria Rusticana.

Gioacchino Rossini: Abertura da ópera Gulherme Tell (final).

Pyotr Ilyich Tchaikovsky: Cena. Do ballet O Lago dos Cisnes.

Maurice Ravel: Bolero (final).

Johannes Brahms: Dança Húngara n.º 5.

Alfred Newman: Fanfarra Fox.

John Williams: Tubarão.

John Williams: Jurassic Park.

Klaus Badelt: Piratas do Caribe.

John Williams: Star Wars (Marcha Imperial)

bg.png

Sobre a apresentação

Uma novidade nesta temporada é a Série Oses na Estrada, com apresentações em municípios pelos quais passa a estrada de Ferro Vitória a Minas. A série começou em abril, com uma apresentação em Minas Gerais, onde pela primeira vez, realizamos uma apresentação interestadual. Neste mês, passaremos por municípios do interior do Espírito Santo.


Georges Bizet (1838-1875) escreveu a sua obra-prima, a ópera Carmen, em 1875, cuja história se desenvolve em torno da cigana Carmen, conhecida pelo seu poder de sedução. O célebre Prelúdio introduz os destaques e as tensões afetivas, estabelecendo o exotismo da ópera e criando uma atmosfera enganosamente festiva.


Antônio Carlos Gomes (1836-1896), um dos mais importantes compositores brasileiros, com carreira de destaque na Europa, teve suas óperas apresentadas no Teatro Alla Scala de Milão. A sua ópera O Guarani, de 1870, obteve um sucesso que repercutiu por toda a Europa. Em 1871 ele compôs a Protofonia, que condensa os temas mais importantes da ópera.


Pietro Mascagni (1863-1945) escreveu a sua ópera Cavalleria Rusticana (Cavalheirismo Rústico) em 1890. A ação se passa em um povoado da Sicília, em um domingo de Páscoa. O Intermezzo, conhecida página escrita para orquestra, traz uma melodia baseada em um hino ouvido anteriormente na igreja da aldeia.


A ópera Guilherme Tell foi escrita em 1829 pelo compositor italiano Gioachino Rossini (1792-1868) e tem como protagonista o personagem-título, herói nacional suíço. A abertura, sucesso no repertório das orquestras, traz, no seu trecho final, após uma fanfarra tocada por trompetes e trompas, a cavalgada dos soldados suíços, sob a liderança de Guilherme Tell.


O compositor russo Piotr Ilyich Tchaikovsky (1840-1893) escreveu o seu famoso balé O Lago dos Cisnes em 1876. O balé conta a história de Odette, uma princesa transformada em cisne por um feiticeiro que desejava se casar com ela e dominar o seu reino. Para quebrar o feitiço, a princesa precisa encontrar alguém que lhe jure amor eterno.


A obra mais famosa do compositor francês Maurice Ravel (1875-1937) sem dúvida é o Bolero (1928), apesar de o próprio compositor considerá-la apenas um estudo de orquestração. Além de destacar alguns instrumentos separadamente ou mesmo em grupos, o Bolero é marcado pelo seu ritmo insistente e repetitivo, como um ostinato, desenvolvendo-se em um crescendo contínuo até o final.


Johannes Brahms (1833-1897) foi um compositor alemão, um dos principais representantes do romantismo musical da Europa no século XIX. Escreveu quatro sinfonias, alguns concertos para solistas, além de vasta produção pianística, coral e camerística. As 21 Danças Húngaras foram inspiradas no folclore húngaro e compostas inicialmente para piano a quatro mãos, mas se tornaram muito populares através das suas versões orquestrais.


Alfred Newman (1900-1970), compositor norte-americano que escreveu trilhas para cerca de duzentos filmes, tendo sido indicado 45 vezes ao Oscar (venceu nove vezes).  A sua 20th Century Fox Fanfare foi escrita em 1933 e se tornou um ícone das salas de cinema.


Klaus Badelt (1967) é um compositor alemão autor de várias trilhas para filmes e conhecido por suas parcerias com Hans Zimmer. A sua trilha para Piratas do Caribe, de 2003, alcançou um amplo sucesso mundial.


Um dos mais longevos e premiados compositores de trilhas para filmes, o norte americano John Williams (1932) é autor de temas consagrados, cujas melodias, já assimiladas pelos fãs, encantam plateias ao redor do mundo. A tensão gerada pelas notas repetidas em Tubarão, a nostalgia da música de Jurassic Park e a mistura de medo e euforia causada pelos acordes iniciais da Marcha Imperial (Star Wars), contribuem para a popularidade dessas músicas.

bottom of page